Antidepressivos e bebidas alcoólicas: Pode misturar? Veja o que acontece | Minha Vida

PUBLICIDADE

Antidepressivos e bebidas alcoólicas: Pode misturar? Veja o que acontece

Entenda a reação do remédio contra a depressão com álcool

Sempre que pensamos na associação de antidepressivos e álcool nos vem à cabeça que "o álcool tira o efeito do remédio", ou então que "o álcool potencializa o efeito da medicação". Há quem pense que o uso dos dois pode levar a prejuízos para o fígado ou mesmo para o cérebro. Todas essas afirmações estão certas, mas depende de qual medicamento estamos falando. Há remédios que tem seu efeito potencializado, para pior, com o álcool e outros que são inibidos pela sua ação.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Mas antes de falar sobre o efeito do álcool com as medicações, quero partir de um pressuposto que sempre utilizo em consultas. O pressuposto é de que não se deve beber durante um tratamento, seja ele de ordem depressiva, ansiosa ou mesmo algum doença clínica. No caso da depressão em específico, o álcool potencializa sintomas depressivos, ou seja, piora a condição da doença no corpo da pessoa.

Sempre digo para o paciente que ele deve beber quando está bem, não quando está mal. O álcool é um depressor do sistema nervoso central, rebaixando as habilidades cognitivas da pessoa, atrapalhando controle de impulso, de julgamento e desinibindo o indivíduo.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Álcool e depressão

A ingestão de álcool em vigência da depressão pode aumentar a impulsividade e o julgamento da pessoa que, estando deprimida, com pensamentos de morte, pode desencadear até tentativa de suicídio.

Outro ponto é que o álcool também tem um potencial de vício para indivíduos com depressão. Sabe-se da grande associação de homens de meia-idade que são dependentes de álcool e tem como a depressão uma doença comórbida. Sendo assim, muitos usam no álcool uma válvula de escape para o alivio da depressão. Não melhora o primeiro e gera uma outra doença grave, que é a dependência química.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Sendo assim, o primeiro ponto de reflexão é sobre a necessidade do uso de álcool quando não se está bem ou quando se está em tratamento medicamentoso. Lembrando que uma consequência do alcoolismo é a sucessão de perdas. O mesmo acontece com a depressão.

Sabe-se, como eu disse, que o álcool é um depressor do sistema nervoso central, pois age no sistema GABA (ácido gama amino butírico, principal molécula com efeito inibitório no sistema nervoso central). Além disso, o álcool reduz níveis de serotonina no nosso cérebro à longo prazo, neurotransmissor relacionado ao humor e principal relacionado à depressão. A associação desses fatores é que gera a relação da depressão com o alcoolismo.

Quanto aos efeitos da interação entre os medicamento antidepressivo e álcool, temos uma gama variada de ações. Sabe-se que o álcool tem metabolização hepática e seu uso prolongado afeta as funções desse órgão. Alguns medicamentos como a Fluoxetina, a Sertralina, o Escitalopram e o Citalopram também tem sua passagem pelo fígado e a interação pode ser danosa para a pessoa.

O álcool também pode causar sangramentos gastrointestinais potencializando efeitos que alguns remédios também podem gerar, como o Escitalopram, Citalopram, Fluvoxamina e Sertralina. De modo geral, os medicamentos da classe dos Inibidores da Recaptação de Serotonina podem gerar sangramentos, especialmente em associação com o álcool.

A associação do álcool com remédios como Fluoxetina, Escitalopram, Fluvoxamina, Citalopram pode gerar alteração eletrolítica, ou seja, no sódio ou alterações na glicemia da pessoa, gerando hipoglicemia.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Sendo assim, notamos o quanto o uso do álcool deve ser evitado ao máximo em pessoas que fazem tratamento com antidepressivos, seja pela interferência da sua ação com o medicamento, seja pelos próprios efeitos do álcool no nosso cérebro.